Os códigos de barras foram desenhados para simplificar e agilizar a captura de dados. Por isso, cada vez mais, empresas de diferentes ramos de atividade utilizam essa tecnologia para controlar os inventários de produtos, matérias primas, ativos e todo tipo de material.

Não é incomum o uso de códigos "internos" — que só têm algum significado dentro da estrutura de codificação utilizada pela empresa que o gerou. Também são comuns os itens identificados com mais de uma etiqueta ou com vários códigos de barras em uma mesma etiqueta. Em ambos os casos, um código errado pode ser lido e registrado nos sistemas de gestão, gerando inconsistência de dados.

É possível, entretanto, limitar as simbologias e o comprimento dos códigos que podem ser lidos através da configuração dos mecanismos de leitura de códigos de barras — tanto em leitores simples como em coletores de dados. Com isso, podem ser reduzidas a zero as chances de um código errado ser lido. Não só isso, mas também o ganho de desempenho e a economia — não há necessidade de personalização ou customização dos seus sistemas de gestão.

Muitos dos leitores de códigos de barras mais modernos suportam a formatação avançada de dados, o que permite formatar os dados lidos antes de enviar ao computador. É possível desprezar certas partes do código, adicionar dados como prefixos ou sufixos ou até mesmo substituir partes do código por outros dados, baseado na simbologia, quantidade de dígitos e outras características do código. Isso proporciona economia, pois dispensa alterações em seus sistemas de gestão, que podem custar caro e serem de difícil manutenção.